quinta-feira, janeiro 10, 2008

Bimbas e Bimbos

A pedido de muitas famílias (ou mais exactamente do Micose e do Trindade), lá tem o Robene de explicar o que é a Bimby.
Meus caros amigos, a Bimby é o acessório imprescindível para homens solteiros e/ou que não acabam com as namoradas/mulheres só porque não sabem cozinhar.
Não, não falo de nenhuma puta brasileira, embora a utilidade de tal acessório seja também ela indíscutivel.
A Bimby é, e passo a citar: «Uma ajudante de cozinha imbatível. A Bimby tem capacidade para fazer quase tudo a uma velocidade inacreditável.Pica, rala, corta, bate, amassa, moe, tritura, pesa, emulsiona e cozinha! E......até cozinha a vapor e lava-se sozinha.O seu manuseamento fácil e rápido torna-a o parceiro essencial na cozinha.»

Ah pois é, se a próxima geração de Bimbys souber destilar cerveja e fazer mamadas, eu acho que prescindo do sexo feminino no mundo.

4 comentários:

Trindade disse...

eheheheh

riacrdoo disse...

Só há um pequeno detalhe: a bimby tem um duende lá dentro muito reivindicativo. Faz folgas e greve, e nas férias deixa o telemóvel em casa!

Anónimo disse...

Estou a ver que apesar de deixares de ver porno na passagem de ano pra ires bailar...e, enfim (cof cof)acudir... com amigos, ainda continuas muito ligado á tua amiga internet! MAS ONDE É QUE TU VAIS BUSCAR ESSAS MERDAS???? considero-me contudo, ostracizada: onde está a legenda que diz " para meninas solteiras, que moram com os pais há mais tempo do que seria politicamente correcto revelar e que já preferem cozinhar a ter de ouvir a mãe dizer todos os santos dias [não me ajudas a fazer nada; não sei que vida pretendes levar; chego a casa do trabalho e ainda tenho de ser eu a cozinhar]".
Estou quase em crer que preferia para 2oo8 uma Bimby a arranjar um emprego que pague mais de 400€...
ji, si

perfumedevioletas disse...

Odeio essa Bimby quase tanto como ao David Fonseca... Se a próxima geração de Bimbys vier com boca de broche incorporada passará a ser considerada concorrência desleal e será vítima da maior perseguição desde o Holocausto.