terça-feira, maio 25, 2010

Spiderwebs

Julho de 1989:

O petiz Robene vai visitar uma obra que o pai está a construir. Está a brincar com uns fusíveis e uma rebarbadora Bosch quando de repente uma enorme aranha preta lhe aterra no focinho. O petiz Robene grita, esbraceja e dá pontapés. A aranha acaba esborrachada no chão. O petiz Robene acaba com as calças ensopadas em mijo.

Agosto 1998:

O adolescente Robene chega a casa e tem uma marca esquisita na perna. É meia roxa, está inchada e dói. «Devo andar a masturbar-me demais. A uns nascem pelos nas mãos e ficam cegos, a mim deve-me dar para isto», pensa o jovem Robene.
E nisto sai pela perneira das calças uma aranha gigante.

Setembro de 2003:

O jovem Robene vai à casa de banho. Repara que alguém deixou a janela aberta. Enquanto alivia as azeitonas, repara horrorizado que está uma aranha gigante um pouco por cima do autoclismo. Ao berros, e mijando literalmente a casa de banho toda, grita por socorro. A acudir o jovem Robene surge o colega de casa G. Meio borrado saca de uma sapatilha e tenta matar a aranha. A sapatilha acaba na sanita que ainda tem o mijo fresquinho do jovem Robene (não houve coragem de descarregar o autoclismo, a aranha estava mesmo em cima dele!). Os dois jovens gritam por socorro, até que surge o terceiro colega de casa, que finalmente mata o aracnídeo gigante. Desde então o terceiro colega de casa ganha a alcunha de Spiderman.

Maio de 2010:

O adulto Robene vai até à varanda fumar um cigarro. Está a pensar na vida e em como tem de comprar um disco externo para armazenar toda a pornografia que tem no computador. De repente sente qualquer coisa a cair-lhe na cara. É uma aranha nojenta. É castanha e Deus castigue este narrador se estiver a mentir, mas tem ventosas em todas as patas e consegue saltar! É uma aranha castanha com ventosas que pula. O adulto Robene berra como berrou o petiz Robene em 1989. Como uma menina, portanto. Começa uma dança epiléptica que consiste no adulto Robene a tentar esborrachar a aranha. Mas o raio do bicho salta e corre muito rápido. Derrotado, o adulto Robene refugia-se em casa, tranca a janela, tira a roupa toda para se certificar que não tem nenhuma aranha enfiada nas cuecas e a tremer enfarda um Xanax pela goela.

12 comentários:

Loira disse...

é o universo a querer-te transformar num homem-aranha mas andas a evitar isso.
Só uma sugestão não vás para a Amazónia ou assim, lá as aranhas são verdadeiramente feias porcas e más!

Anita disse...

:-| já pensaste em ir a uma sessão de hipnose para saber de onde vem essa aracnofobia??

Bom, na realidade, tenho uma colega no trabalho que já chegou ao pé de mim com um ar de pânico tal, que eu pensei que ela tivesse visto uma alma penada, mas não... era só um aranhiço e vem sempre aos gritos chamar-me, para eu ir matar aquela... eeer... tarântula... :)

eheheheh ai ai... as fobias... vá-se lá entender esse fenómeno...

vá, agora já passou ;)

Malena disse...

O adulto Robene precisa urgentemente de fazer terapia!

mãe pimpolha disse...

ai credo, vou ali tomar um banho e já venho.
Eu tenho pavor de aranhas, é dos poucos animais que me põe o coração a bater a 200, sudorese à parva e um ataque cardíaco mesmo À espreita.
Se me tivessem acontecido esses casos todos, não estaria cá para contar a história.
Beijocas

Anónimo disse...

Hum... Aracnofobia... Já sei o que vou fazer no próximo Carnaval...

Anónimo disse...

adulto robene, a cada palavra da tua verosímil descrição o meu corpo contrai-se medo e pânico.

A Tal Princeza disse...

Eu conheço quem afirme a pés juntos que foi encurralado por uma aranha num canto da casa.

O que vale é que só se dão fenómenos desses de longe a longe.

Ana C. disse...

Contigo é aranhas, comigo é abelhas. Tenho a mania que se for picada por uma vou inchar até morrer. Se algum dia me entra uma abelha no carro enquanto conduzo, podes crer que atiro com o carro pela ribanceira abaixo. Ou seja se não morrer da picada, morro na fuga. Mas eu sou gaja e posso. Agora gajos a fugirem de insectos é f%$#$%&

Isa disse...

odeio tanto aranhas como me ri com este post. muito :)

Maria Inês disse...

Também não curto muito aranhas...

Teresa I. disse...

E pela primeira vez que visito este blog, dou de caras com este post... acho que foi a última vez que aqui passei... certamente que não vou conseguir dormir nas próximas noites, sempre a pensar quando é que me vai aparecer uma aranha em cima. E quando sentir uma comichão na perna? Aí será o pânico total. Eu sou daquelas que ficam encurraladas numa divisão. E como a Ana C., se algum dia vejo alguma enquanto estou a conduzir... não sei não... se descobrires como curar isso, diz. Partilho contigo a psicoterapia ;)

Anónimo disse...

Espectacular!!
AMEI o post e estou a adorar o blog!
Vou voltar, certamente!
Não páro de rir!!