segunda-feira, fevereiro 01, 2010

Boa Noite. Vemo-nos um dia destes.

Não tenho nenhuma fotografia contigo.
Mas tenho memórias. Muitas.
De como ia sempre levar o sapatinho a tua casa na véspera de Natal para mo encheres de chocolates.
Das histórias que me contavas na lareira da tua casa.
De me levares para o campo e me ensinares as plantas.
Das vindimas e de engarrafar o vinho tinto contigo.
Da honestidade, calma e carácter que tinhas.
De seres um apaziguador.
Um homem como nunca conheci.

Dorme bem, Avô.
Vou ter muitas saudades tuas.

14 comentários:

testaravida disse...

Lamento muito. Um abraço.

Malena disse...

É um pedaço de nós que desaparece mas, em compensação, muito do que somos tem a sua marca! Viverá através de ti!

Quicas disse...

Lamento a tua perda.

AVOGI disse...

Os meus sinceros sentimentos. Bonitas palavras.

Teresa disse...

Tenho muita, muita pena.
Ficam as memórias. Fica a saudade. Fica-se um pouco mais sozinho, um pouco mais adulto.
É aquele fado. «É tão bom ser pequenino, ter pai, ter mãe, ter avós.»
Tenh mesmo muita pena. Um beijinho.

Leticia disse...

sinto muito..

Joanissima disse...

:(

Conheço essa dor bem demais.
Um beijo de ternura.

Anónimo disse...

sigo-te à muito tempo... sempre na clandestinidade... hoje, não resisto.
Despedi-me da minha avó há três anos e do meu avô há 8 meses... e ainda dói... muito!
Neta única, filha única e assustadoramente... qualquer dia "só" unica!...
Um abraço
Marisa

Naja disse...

Um abraço, robene... tens tanto de divertido como de nobre nos sentimentos...

Farmacolico anonimo disse...

Tb sigo as tuas passadas faz anos...e lamento...
é pena quando se perde alguem que se ama...é pena...
Força nisso!

Pimp disse...

Bonito Post... Mesmo muito... Lamento teres perdido uma pessoa assim...

R. disse...

:)

Anónimo disse...

É nestas alturas que somos invadidos por uma torrente de sentimentos e, no entanto, apenas consigo dizer que lamento muito. O meu avô também nos deixou há quase 5 anos, mas curiosamente nunca esteve tão presente na minha vida como desde então... penso nele e encontro-o muitas vezes em pequenos gestos meus... e as videiras (dele) nunca me pareceram tão cheias de vida!!
Beijinhos,
Bárbara

sofya disse...

este teu texto está perfeito..
porque tem muitos sentimentos dentro de tão poucas linhas.