sábado, janeiro 27, 2007

SIM!

Diário (de um aborto que devia ter acontecido)

Querido diário, nasci numa manhã fria de Primavera.
Ao contrário dos outros bébes, não fui recebido com beijinhos. A minha mãe tem um modo especial de demonstrar que gosta de mim, e mal me recebeu no colo, apertou-me o pescoço com força. Gosto muito destes miminhos, embora às vezes mal consiga respirar. No outro dia acordei e a minha mamã estava a pressionar uma almofada contra a minha cara. É uma brincalhona!
Do meu pai nunca soube. Lembro-me de estar no útero da minha mãe, lá por volta dos dois meses e de ouvir o meu papá dizer: 'Ó sua porca badalhoca, ficaste grávida? agora desemmerda-te!'
Depois disso a minha mãe dirigiu-se para o tasco mais próximo e emborcou sete garrafas de whisky rasco e duas caixas de Xanax. Os médicos dizem que é por isso que tenho três orelhas e que ainda ando na terceira classe (apesar de ter 15 anos). Eu para prevenir estas coisas só bebo whisky de marca. Custa-me dar esse dinheiro, mas avio sempre mais dois clientes extra por dia para poder beber Cutty Sark.
Apesar de tudo tenho uma existência feliz. Os caixotes de papelão onde durmo são de boa qualidade, e às terças e quintas é dia de comer. O Tozé, o meu namorado, gosta muito de mim, especialmente quando lhe trago umas doses de coca roubadas ali aos arrumadores do centro comercial.
Enfim, se não existisse, ai o que seria deste mundo?


(POR FAVOR VOTEM SIM!)

21 comentários:

Goncalo Lourenco disse...

"Enfim, se não existisse, ai o que seria deste mundo? "

Nada, continuaria exactamente na mesma. Era apenas menos um blogger, era apenas menos um cinéfilo, era apenas menos um farmacêutico, era apenas menos um Amigo.
Ou apenas menos uma PUTA, consoante o exemplo.

Terias sido aspirado ou cortado aos pedaços, e nunca terias sido mais que um monte de células. Um monte de células cheio de potencial, mas apenas isso.

E pensando bem sobre o assunto, porque não prolongar o prazo mais umas semanitas? Diria tipo... até 4 semanas apos o nascimento? Só para que a mãe (já que o pai ficará sempre arredado destas questões) pudesse decidir se o constante berreiro, e o facto de ter que mudar fraldas não será incómodo a mais... Afinal, ainda é apenas um amontoado de células. Um pouco mais complexas, um pouco mais diferenciadas, um pouco mais preparadas...mas continua a ser um monte de células. Com o mesmo potencial do outro, mas só isso..

O Mundo, esse, seria igual. Nem nunca teria sabido do projecto de pessoa que o não chegou a ser.

Apesar disso, o mundo de algumas pessoas seria um pouco mais pobre..(so what???)


Por favor, votem CONSCIENTEMENTE..

Robene disse...

Diário (de um amontoado de células aos três meses)






(done)

Mia disse...

Gonçalo,
Não acreditas mesmo nisso de se decidir se se quer ter um filho ou não por causa do berreiro e das fraldas, pois não?
Quer dizer, na verdade há gente para tudo... mas eu, que me considero uma pessoa consciente e ponderada no que diz respeito a este assunto, não gostava de não ter poder de escolha, só porque alguns irresponsáveis não sabem tomar conta de si e não se importem de fazer abortos como quem muda de cuecas.
(Se bem que essas pessoas até são gente para não mudar de cuecas, mas isso é outro tema)
Votar em consciência implica pensar nas coisas para além do superficial.

Rubene,
Cada vez pior! Cada vez pior!! E anda gente destas a atender nas farmácias!!!

Goncalo Lourenco disse...

Vá lá Mia, percebeste que eu estava a ironizar.. É logico que isso seria levar isto a uma situação extrema. Respondi ao tom do post... mas o resto do meu comment é para ser levado a sério...

Se somos contra o aborto, se sabemos que ninguem o fará de ânimo leve, se todos achamos que é um problema, uma experiencia a evitar (acho que qualquer pessoa razoável pensa assim), então porque torná-lo uma solução.

"Votar em consciência implica pensar nas coisas para além do superficial."

Não poderia estar mais de acordo.
Nada é PRETO ou BRANCO, e nesta questão há também muito cinzento.
Mas há que pensar que estão em confronto valores. A "minha Liberdade, o meu direito de opção", versus, "uma vida que transporto, mas que não é a minha..."

Qual o bem maior?

Cada pessoa é unica, e cheia de potencial... independentemnte de quão más/desvaforáveis possam ser as circunstâncias á partida.


http://www.youtube.com/watch?v=5foecye1o00&mode=related&search

Robene disse...

«uma vida que transporto, mas que não é a minha..."»


Que conversa de pacotilha. O que é que vem a seguir? que ó papa condena o aborto?

«então porque torná-lo uma solução.»

Ninguém o vai tornar uma solução. Estamos a votar a DESPENALIZAÇÃO. Ou seja, as mulheres que pratiquem o aborto não vão presas. Assim como as parteiras/enfermeiras/médicos/vãos de escada que o façam.
O aborto não é uma solução. É uma ALTERNATIVA, que cabe à mulher decidir. Quem és tu para falar por milhões de mulheres portuguesas? Quem és tu para as impedir de fazer qualquer coisa? Ou tens mais apreço por um amontoado de células do que pela dignidade de uma pessoa?

Robene disse...

Sim, vamos todos votar não, e permitir que as mulheres continuem a abortar pegando em garrafas de gás e atirando-se das escadas abaixo. Isso é bem melhor. Sinceramente, quem quer abortar, ABORTA. Se não aqui às escondidas, é em Espanha. PENSEM CARALHO.

Mia disse...

Gonçalo,
É uma questão complicada, claro! Toca em muitos temas sensíveis, e quando falamos de valores as coisas são sempre cinzentas.
Mas a questão de dia 11 de Fevereiro não é uma questão de valores, mas uma questão de código penal.
O que se passa é que a lei que temos hoje em vigor não resolve o problema: temos o aborto clandestino e à pala disso muita gente a lucrar com mercados negros e vãos de escada ensaguentados; temos mulheres que o fazem sem qualquer acompanhamento psicológico, higiene e segurança, que sofrem traumatismos físícos que por vezes levam à morte; que desconhecem até alternativas de possíveis associações que as podem ajudar caso queiram ter a criança se o seu único problema é o financeiro; temos turismo de aborto a Espanha e outro países onde as coisas são bem feitas, mas só tem acesso a elas quem pode pagar.
Se queres que te diga, não vejo qualquer protecção do feto/embrião/criança na lei que agora vigora.
E é por isso que votarei SIM. Porque o que está não serve, e porque as mulheres que querem abortar, irão abortar sempre, mesmo comprometendo a sua vida. E se é injusto que o façam em condições de merda, mais injusto é submeterem-nas à devassa pública de um julgamento e até à prisão. Não há justiça nisto. Não consigo ver justiça nisto!
Votarei sim porque quero alternativas. Quero que o Estado saiba dos números reais, das pessoas reais, das suas situações, para mais conscientemente e de forma organizada consiga responder às questões que levam uma mulher a abortar.

Anónimo disse...

Votar conscientemente parece-me ser garantir à mulher o direito de optar, consciente e responsavelmente, pela IVG até às 10 semanas (o embrião não sofrerá até este limite temporal), em condições legais e em segurança, ou por levar a gravidez até ao fim.

Que autoridades morais são os adeptos do «Não» para negar esse direito ou para criar, subitamente, um plano (acompanhado? até quando?) que, de facto, a mulher e/ou o homem não tinham?

A vitória do «Não» poderá reforçar a penalização (que, embora não seja actualmente maciça, é uma ameaça constante) e a constância do aborto clandestino (esse sim,hoje liberalizado, sem controlo). Logo, não resolve o problema.

E quem, naturalmente, sofrerá mais com o aborto ilegal, feito, por vezes, em condições desumanas, e com a humilhação pública ou do/a médico/a moralista? Não serão as mulheres com pasta que vão a clínicas sofisticadas abortar (e ninguém dá por ela), mas sempre as mais desprotegidas, vulneráveis e sem meios financeiros.

Há justiça social neste facto? E a qualidade de vida destas mulheres já é descartável e não interessa?

Não sou adepto de uma cultura de morte, como é gratuito a «oposição» rotular. Sou, antes, a favor da escolha e da vida com dignidade e consciência.

Outras observações:

Quem julga que a IVG até às 10 semanas é crime, mas que se considera a favor da despenalização (e vota «Não»), que se decida. Se considera crime, porque se diz a favor da «despenalização»?

A posição oficial da Igreja Católica, a propósito do referendo (que parece estar a despertar consciências) é a do voto no «Não», dizendo-se pró-vida. Curiosamente, esteve, em larga escala, ao lado de Salazar na Guerra Colonial (que não aconteceu há tanto tempo assim). Aí, algumas vidas não interessavam, tal como hoje não lhes interessam outras (como lhe chamam? «Aberrações ou contra-natura ou ...»?).


Tiago C.

Goncalo Lourenco disse...

Sei que estou em minoria, sei que neste blog sou do "Contra" , mas não me posso remeter ao silêncio.

Pensariam que me acobardei.
Que ja deixei de ter coragem para dar a cara. Mas dou, e darei.
Não vou responder a ninguem em particular, ou teria que escrever um testamento.
E ja estou farto destes debates surdos, de ouvir sempre os mesmos argumentos, de o facto de as pessoas (do sim) quererem simplificar demasiado a questão, sem pensarem no País/mentalidade/Governo que temos, e o que daí irá resultar com a alteração da Lei.

Que apoio terão as mulheres que optarem pelo aborto? Senão forem muitas das associações de apoio á grávida, julgam que serão nos nossos hospitais que elas terão o acompanhamento psicológico adequado?
Em vez de tentar criar estruturas, e politicas sociais favoraveis, vamos cortar a direito, e apresentar uma ALTERNATIVA (pleonasmo de solução). Fácil, porque totalmente livre, e que desrresponsabiliza toda a gente.

Porque o que está em questão vai muito para lá da despenalização.

Porque no fundo a lei não existe para HUMILHAR ou levar as mulheres à prisão. Desde o ultimo referendo, 8 anos portanto, foram presas 9 mulheres (dados do ministério da justiça), e quase de certeza que por terem feito aborto após as 10 semanas (problema que esta questão também não resolve..)

A lei existe para demover, para que o aborto não possa ser encarado com uma ALTERNATIVA, embora eu tenho consciencia que ele sempre irá continuar a existir. Mas não é por eu saber que o tráfico de droga existe que eu o quero despenalizar...

Sabem que existe uma lei que pode condenar a 6 meses de prisão a pessoa que destruir ninhos de aves, ovos ou tocas e louras (tocas de alguns tipos de animais)? Que raio de inversão de valores é esta?
Quanto vale a vida humana?
Haverá assim tanta diferença? Entre as 10, 20, ou 30 semanas, não é o mesmo ser que está em questão? Quando é que deixa de ser amontoado de células e se torna pessoa? Com direito á protecção (de que por enquanto ainda goza..)

Ja chega.
Estou cansado. E um pouco desconsolado ao aperceber-me de como tanta gente encara esta situação. ACREDITO em tudo o que escrevi. E receio pelo futuro, sinceramente. Porque está em jogo muito mais que apenas "deixar de enviar mulheres para a cadeia".

Ja chega. Concerteza ja ouviram/leram o que atrás escrevi.
E isto é chover no molhado.
Só peço, votem em CONSCIÊNCIA...

Mia disse...

Gonçalo,

Vamos lá ver uma coisa: tu achas o aborto uma coisa horrenda. Eu também acho. Sabemos todos que é um problema e através da lei tentámos resolver esse problema. Infelizmente a resolução encontrada não funcionou. O que é mais óbvio? Deixar as coisas como estão ou tentar arranjar outra solução para elas?
O que nos é perguntado no referendo é apenas uma parte da questão, é a parte legal! Não é a questão total, mas temos que começar por qualquer lado.
O que as pessoas que votarão sim no referendo esperam que aconteça - e sim, estou cá para ver - é que ao tirar o peso legal a esta questão até às 10 semanas - que em termos estatísticos é o tempo que normalmente uma mulher após saber que engravidou e após ter pensado nas consequências decide que quer abortar - as mulheres passem a recorrer ao serviço nacional de saúde. Desta forma, esperamos que estas mulheres tenham o acompanhamento necessário - físico, logístico e psicológico - para, em poder de toda a informação, possam decidir conscientemente se querem avançar. Caso queiram, acabam por fazer o aborto em condições que lhes permitam não correr riscos de saúde desnecessários.
Assim teremos o controlo dos números e das pessoas e poderemos, baseados em dados verdadeiros, criar os planos de acção e as estruturas necessárias para que o aborto deixa de ser uma opção. Isto claro, para além de terminar com os negócios clandestinos que vivem desta miséria.
Isto, claro, num plano ideal! E eu, feliz ou infelizmente, sou uma pessoa que ainda acredita!
Seja como for, tens que concordar comigo que o que está, simplesmente não funciona. E gostav muito de poder votar numa proposta mais eficaz, quem não queria?
Mas a verdade é que não há!
Vou votar em consciência, disso te asseguro!
Aliás, nunca antes fui votar com tanta certeza!

Quanto à questão que levantaste do tráfico de droga, vou fingir que não o li. É triste o desespero da argumentação do Não quando põe tudo dentro do mesmo saco e diz que é para "defender o feto".

Estava à espera que respondesses, claro! Gosto de discutir assuntos com pessoas que acreditam no que dizem. Tal como estou à espera que descanses bem e voltes em força a rebater os meus argumentos. Quem sabe não acabamos os dois por defender a mesma causa?

Mia disse...

Só mais uma coisa, quando digo que não gosto da argumentação do Não quando "poe tudo no mesmo saco", goataria de acrescentar que também detesto a argumentação do Sim que diz barbaridades como "esta barriga é minha" e extremismos do género!

É só, por agora! :)

Teresa disse...

Sem duvida das melhores coisas q li até hoje!
Sentei-me ás dez da noite aqui e tive a ler tudo , mas tudo mesmo!

Acho que estou mesmo a ficar velha!
Ver a Merche agarrada a um poste a dizer vem ao BES ia ser muito mais apelativo :D

Sim o hi5 é sem duvida isso mesmo (tenho 300 amigos , cerca de 50 talvez nem tanto nao conheça)

Joana Pintelha , morri de rir!

Elenco dos Morangos com açucar , optimas criticas, muitas verdades.

Tenho pena q acordes com os ferros da miuda do andar de cima !

tambem tenho uma putinha dentro de mim!
GOSTEI MESMO

Goncalo Lourenco disse...

Mia...

É 1:40, e acabo de xegar a casa depois de um looongo dia, muito cheio mas muito bom. Amanha começará um novo, á mesma hora de sempre (8, porque felizmente em Coimbra tudo é perto) tão preenchido como este.

Não me sinto com cabeça para argumentar, e sinto que tudo já foi dito e dito outra vez, por nós e por tantos...

E sim, acredito que votarás em consciência, com a noção que o teu voto é o melhor para o país e sociedade em que vivemos...mesmo embora seja diferente da minha opinião.

Não estaremos bem a defender a mesma CAUSA, mas estamos a defender o que cada um acha ser o BEM MAIOR.

E é isso que se pede a cada um...

Robene disse...

AI SOCORRO!
Ora vamos lá ver. Já estou fartinho dos argumentos do Não, do somos pela vida e blá, blá, blá, tudo argumentos chapa 4 que ficam muito bonitos de se ver. Mas que vida? uma vida em que não se tem direito individual? e qual vida é mais importante? a do feto? ou a da mãe, que já tem consciência de si mesma?

«Desde o ultimo referendo, 8 anos portanto, foram presas 9 mulheres (dados do ministério da justiça)»

Coitaditas, dvem ter sido as que não tiveram dinheiro para ir para Espanha.

NÂO SE ESQUEÇAM QUE SÒ ESTAMOS A VOTAR A QUESTÃO LEGAL!!!!


Sabem que mais? Caguei para esta merda. Os Não nunca vão mudar de opinião. Já agora Gonçalo, se houvesse um referendo da Eutanásia o que é que ias votar?


Ah, obrigado Teresa (Robene babando de orgulho)

Stressada disse...

SIM! Eu não percebo o que é que custa às pessoas no geral perceberem que uma mulher que aborta nao o faz de animo leve e de garrafa de champagne na mão. Que não vai para a cama com alguem, ou faz o amor, ou tem sexo com o intuito de um mes depois ir abortar.

Que abortar não é um desporto nem uma fonte de prazer para as mulheres a.k.a assassinas...

Pelo amor da minha santinha!

Não entendem mesmo que é uma decisão pensada e pesada na consciencia...? São só mesmo estupidos!?

Mia disse...

Rubene,
Vá, escreve outro post!! Rápido!

Gonçalo,
O que vale é que o fim de semana está quase quase aí!

palmo&meio disse...

Nunca vi este país tão activo, nem nas eleições. Ainda bem.

Ponto 1 - 2/3 da humanidade são acolhidos, não desejados.

Ponto 2 - A Igreja fez muitas coisas más, mas não é de todo para aqui chamada.

Ponto 3 - Hitler, admirado por todos, extreminava todos aqueles que não eram perfeitos.
Às vezes tenho a sensação que nós fazemos o mesmo. Extreminamos os que não queremos porque vão estragar a nossa perfeição.

Ponto 3 - Porque raio hão-de mulheres sem condições para ter filhos tê-los porque a lei existe? Porque vêm crianças ao mundo que prefereriam a morte? Extreminamos África e a América do Sul? Parte da Ásia?

Ponto 4 - Viva o nosso belo país que segue tão lindamente as passadas da Europa e de todos os países desenvolvidos. Viva o efeito carneirada. E eu que não percebo a radicalidade e anti-conservadorismo das camadas jovens que se dizem diferentes e modernas?

Ponto 5 - Porque é que os do não não se calam? De facto.. moralistas!!! De um raio!! Falem só os do sim, que não são extremistas.. ah!! E porque eles, ao contrário dos do não, vão mudar de opinião!! Eles sim são flexíveis e dispostos a ouvir...

Ponto 6 - Um amontoado de células... fomos todos... talvez muitos não devessem passar disso, não fossem tornar o mundo tão heterogéneo, é que já estorvam!

Ponto 7 - Confio nas mulheres, confio mesmo, em estados de consciência. Em estados de desespero quem manda são os instintos, não os humanos.

Ponto 8 - Esta solução (não sei qual!) de facto, não melhorou nada.. até porque isto falava-se muito antes(?) em soluções, alternativas (às mães claro, o monte de células não pode ter alternativas!!).. Só não percebo tudo o que já foi acrescentado de novo, pelo sim.. como medidas preventivas, comissões, apoio.. que não fossem questões levantadas pelo não não surgiriam.

Ponto 9 - De facto não conseguimos imaginar as situações que levam mulheres a abortar, principalmente as desfavorecidas que nem dinheiro para o hospital mais próximo têm quanto mais para Espanha, mas o que nós não sabemos do interior do nosso país, como meninos citadinos que somos. Temos muito para aprender.

Ponto 10 - Vamos de facto ser livres, superficiais, covardes nas escolhas porque o mais fácil é sempre o caminho escolhido.

Ponto 11 - Somos capazes de vencer as contrariedades mais impensáveis da vida, vencemos separações, mortes, despedimentos, combatemos catástrofes, combatemos a fome, a SIDA, mas somos incapazes de combater um imprevisto que pode vir a ser uma grande surpresa e revelação.. Corremos sempre riscos.. porque não correr o risco da oportunidade em vez do risco da perda?

Oxalá me engane... dou o benefício da dúvida.

Também votava NIM se pudesse, aliás mudava tudo desde o início..a lei é o menos importante. Mas numa balança de valores e pós e contras votamos o prato que pesar mais.

Prevejo vitória do sim, espero prever medidas coadjuvantes, menos abortos clandestinos, mais mães conscientes.. só tenho pena se daqui a uns anos, quando os abortos aumentarem os telejornais não anunciarem nada, as pessoas terem esquecido, a discussão ter passado á história e quiçá a despenalização até às 20 semanas.

Alguém me perguntou se eu queria proteger ou desproteger a sociedade? Entendam como quiserem.

FARTA DISTO disse...

mas que caralhada para aqui vai!!

robene! afinal tens cérebro!
aqui está um post com personalidade. faço minhas todas as tuas palavras. sempre usadas com clareza.

infelizmente, acho que isto é chuver no molhado...
tdo ficará igual, perdido e esquecido...
a maioria dos portugueses ñ tem noção do k está em causa, e como conservadores e retrógrados que são, lá irão vestir o fato do domingo para colocar uma cruzinha no quadradito do não.

ganha o NÃO? ñ sei... espero que não!!! mas tudo irá ser feito da mesma forma. as mulheres continuarão a abortar em condições subhumanas e sofrer as consequências, e as mais "tias" continuarão a ir passar férias á vizinha Espanha, e aproveitam para exercer o seu direito de opinião e escolha num País que ñ o delas. isso é mau?? é pá... se Portugal fecha as maternidades e há quem tenha de ir parir a Badajoz...
com esta atitude ñ consigo perceber pk tem de uma mulher ser presa se optar por abortar, se Portugal começou a virar as costas aos nascimentos?????
qtas mulheres ñ perderam o bébé a caminho de cascos de rolhas????
quem é que neste caso é preso???

continuamos com a suposta vitória do não: pk vai a mulher presa, se for opção de 1 casal??????
a ver se percebi... ELA vai para o xilindró, ELE fica a ver os jogos na TV...

o NÃO, decerto que prefere ver no telejornal bébés abandonados em contentores do lixo (as famosas células diferenciadas, pelos vistos são lixo); crianças mal tratadas, etc...

o NÃO, decerto que já reparou que neste País não há nenhuma criança abandonada, indesejada e esquecida num orfanato...

O NÃO, já se "mexeu", para resolver a questão da adopção em Portugal... sim!!! é que é mto fácil...

O NÃO, nunca saiu do seu cómodo sofá, do seu lar, dos restaurantes, dos seus carros, etc para ver o que realmente se passa em seu redor. Ver o sofrimento e o desespero da maioria das mulheres que ñ quer, ou simplesmente ñ tem qq condições para criar 1 filho. principalmente nas zonas do interior destes magnifico País, como alguém já mencionou...

GANHA O SIM???? duvido... mas se isso acontecer... apenas muda o factor despenalização.
a mulher portuga terá vergonha de se dirigir a um hospital para abortar. simplesmente quer absoluto anonimato,ñ quer ir passear e cruzar-se com o pessoal médico\enfermagem que a ajudou na sua opção...
tdo continuará na mesma.
a endinheirada vai para Espanha, onde ninguém a conhece e diz que vai de férias...
e a outra... essa... continuará nos vãos de escadas...
mas pelo menos... HAVERÁ UMA HIPÓTESE DE ESCOLHA!!!!!!!
E NÃO UMA OBRIGAÇÃO!!!!!!!

MAS ATENÇÃO O SIM TEM CONSCIÊNCIA DE QUE O ABORTO Ñ É UMA SOLUÇÃO...

milton disse...

mm eu nao sei o q hei-de fazer em relação a esta questao,parece-me ser um pouco dificil para todos nos votar em consciencia.vou tentar expor o que penso :
sim-aborto em massa(sera?)
com acompanhamento profissional(o acompanhamento psicologico vai servir para convencer as pessoas a desistirem do aborto e não para o prepararem).
Alteração da lei não vai servir para incentivar nimguem a abortar pois não?
As mulheres nao vao presas se o fizerem ate as 11 semanas.

nao-aborto em massa em condições precarias...so os ricos vao poder optar por esta escolha.os pobres olha azar!!!alguem disse q era necessario analizar esta questao a fundo,espero q quem tenha afirmado tal coisa o tenha feito.
É ENGRAÇADO QUE NA MAIORIA,OS PROBLEMAS QUE ACONTECEM NO NOSSO PAIS SAO PRODUZIDOS POR PESSOAS POBRES.
ABORTO claro q não!!!
ironicamente desejo q nada mude em relação a esta questão...vamos deixar tudo como esta,porque assim esta tudo bem...eu nao sofro com isto...quem sofre??olhar para crianças a morrer de fome e a pedir esmola qd podiam estar na escola,agora se me mostrares um feto q nao vai nascer,isso sim vai chocar.
ja agora vamos fazer um panfleto com a imagem de nossa senhora de fatima com um ar ameaçador(quando na biblia esta escrito :nao adoraras imagens)a dizer:ela esta a olhar para voces.parece-me bem
É ENGRAÇADO QUE A INSTITUIÇÃO CATOLICA TENHA TANTO PODER SOBRE AS PESSOAS.O MEDO RESIDE
JA AGORA axo q vou votar sim.espero votar numa mudança para melhor,o facto de eu nao pretender optar pelo aborto nao quer dizer que nao o compreenda...e espero q no futuro nao sejam encontrados fetos no lixo ou a boiar por ai!!!!

Robene disse...

Até agora tenho sido bastante tolerante em relação ao que tudo foi dito pelos apoiantes do não. Dou o benefício da dúvida quando dão o argumento da vida. Dou até o benefício da dúvida quando falam em abortos em massa. Mas estou totalmente convencido quando me falam em argumentos como «Os apoiantes do sim relembram-me o Hitler» ou « Vamos exterminar a África» ou «Em estados de desespero quem manda são os instintos, não os humanos.»
Sim, apoiantes do Não, conseguiram-me convencer! Dia 11 lá vou eu estar a por a cruzinha do Não, só por causa desses argumentos ultra convincentes.

Robene disse...

Desculpem apoiantes do Não, mas ainda não ouvi uma única alternativa para o aborto clandestino. O que pensam fazer em relação a isso, caso o Não ganhe? Pregar de porta a porta a cantilena do «Sou pela vida»? apoiar vocês próprios monetariamente a mulher sem possibilidades (sim, porque o estado é uma maravilha nestes casos!)? Adoptar vocês mesmos a criança não desejada (visto que os processos de adopção são facílimos em Portugal)?

Caso não saibam, existem em Portugal, por ano, 18000 abortos clandestinos. Vamos todos fazer uma vaquinha e ajudar estas 18000 pessoas?