quinta-feira, maio 25, 2006

Reunião de família

A seguir ao álcool, as reuniões de família são a principal causa de acidentes rodoviários. Qualquer motivo é bom para se faltar a um destes suplícios infernais.
Infelizmente no Domingo passado lá tive de aturar um desses intermináveis almoços de família, visto o meu tio-avô (ainda não percebi muito bem que raio é que é um tio-avô) fazer 90 anos. A minha irmã insistiu em levar um presente. Eu opus-me. O velho tem 90 anos, já é uma sorte lembrar-se de respirar, quanto mais do próprio aniversário. Além disso não deve faltar muito tempo para gastarmos um dinheirão em crisântemos. Finalmente decidimos comprar uma caixa de chocolates. O meu primo decidiu por uma boa garrafa de vinho. Deste modo pode ser que o velho não chegue aos 91.
Segue-se uma descrição cronológica da emocionante tarde:
13:33 Chegámos. Havia para aí uns quinhentos primos, tios e outros que tais para cumprimentar. Começo pelos mais novos, tentando deixar o cheiro a bedum dos mais velhos para o fim. Reparo que a prima Sara (a última vez que a vi, ela tinha para aí uns doze anos) exibe muito orgulhosa as mamas 38 num generoso decote da Bershka. Infelizmente continua a não usar desodorizante. Cumprimenta-me com um caloroso beijo. O hálito é um misto de leite azedo e pastilhas tridente fora de prazo.

13:35 Hora das entradas. Multidão acotovela-se à volta da mesa, trincado avidamente tostas do LIDL com patê e camarões que já perderam a cor. Apanho o tio Amílcar a olhar luxuriosamente para as mamas da prima Sara. Fico um pouco chocado visto ele ser o pai dela.

13:37 Reparo na quantidade enorme de crianças na faixa de idades 2 meses-3 anos. Pelos vistos os meus primos não têm andado a brincar em serviço. Ainda bem que o sangue da família Gaio Santos vai continuar a correr nas veias de pessoas com nomes tão distintos como Toni Filipe e Vânia Vanessa.

14:00 Hora do almoço. Todos se sentam. A comida chega. Impera o silêncio, rasgado apenas por leves sons de mastigação e deglutição. A tia Gracinda insiste em mostrar o conteúdo do seu bolo alimentar a toda a gente, atirando ocasionalmente pequenos pedaços de leitão à Bairrada para os pratos dos vizinhos. Todos têm um ar de verdadeira felicidade.

14:25 O tio João fica bebido. Seguem-se os tios Carlos, Bernardo, António, Zé, Odete, Laurinda, Ortélia, Alberto, Gil, Florinda, Faustina. Todos arrotam alegremente. O meu tio-avô queixa-se que se borrou.

14:30 Hora das sobremesas. Tudo come a bela da salada de fruta e mousse de chocolate. A prima Marta diz que eu devia era ter ido para médico, porque fazia falta um médico na família. Eu digo que o que falta nesta família são fígados novos. Ninguém pareceu perceber a minha piada inteligente. O primo Rui peida-se ruidosamente. Todos se riem.

15:30 Hora de ir embora. Sobrevivi a mais uma reunião de família. Choro de alegria por finalmente ter acabado.

5 comentários:

aRRoZ De GreLoS disse...

hmmmmmmmm...a minha tia-avó (cujo parentesco tb ando a tentar descobrir, entretanto chamo-a só de "veha")fez 90 anos...será q pró ano em vez de uma festa de aniversario ñ podemos fazer 1casamento de dinossauros? Spr era mais animado e com um bocado de sorte ambos morriam de emoção!

eric_draven disse...

Parece que temos praki alguém a tentar fazer concorrência à Teresa Guilherme..

Anónimo disse...

Really amazing! Useful information. All the best.
»

Anónimo disse...

Nice idea with this site its better than most of the rubbish I come across.
»

Anónimo disse...

I find some information here.